Comunidad Budista Sotozen

Alguns erros na prática de zazen

Com efeito, durante zazen podemos cair nos dois estados perniciosos para a saúde física e mental e totalmente contrários ao estado de vigília de um Buda.

Por um lado, podemos cair num estado de relaxação física e mental caracterizado por uma grande atividade inconsciente, muito próxima do sonho, e por uma falta de tom muscular. Este estado é chamado kontin em japonês. É um estado de sonolência, de falta de clareza. A vigilância embaça-se e a consciência embrutece-se. O corpo perde tom, a cabeça inclina-se para diante, os dedos polegares caem e as mãos jazem inertes. A respiração torna-se totalmente inconsciente e é abandonada ao seu próprio ritmo. Este estado deve ser evitado. O melhor método para tal é voltar a uma postura corporal justa: estirar a coluna vertebral, fortalecer o tom muscular e especialmente não deixar que os olhos se fechem.

Por outro lado, podemos cair num estado de distração, de dispersão mental. Este estado é chamado sanran, em japonês. É caracterizado por um tom muscular contraído e por uma atividade mental muito excitada. Surgem muitos pensamentos, sensações, lembranças, desejos... Esta é a atitude típica dos que 'pensam' durante zazen. A nível corporal, o queixo inclina-se para cima, os dedos polegares contraem-se e retesam-se. Para evitar este estado, devemos concentrar-nos especialmente numa expiração longa e suave. Devemos depositar a nossa atenção na palma da mão esquerda e refazer uma postura corporal justa em geral: recolher o queixo e manter a horizontalidade dos dedos polegares.

Equilibrando o nosso corpo, podemos equilibrar a nossa mente.

Dôgen Zenji escreve no Fukanzanzengi: «O zazen de que eu vos falo não é a aprendizagem de uma técnica de meditação. É o dharma da paz e da felicidade, a prática-realização de um despertar perfeito. Zazen é a manifestação da realidade última. As armadilhas e redes do intelecto não podem agarrá-lo. Uma vez que tenham compreendido a sua essência, serão parecidos a um tigre quando penetra na selva e a um dragão quando penetra no oceano».

 

Texto extraído da obra “¿Qué es el Zen? Introducción práctica a la meditación Zen”, de Dokushô Villalba. Ediciones Miraguano, ISBN: 978-84-7813-286-4. Todos os direitos reservados.Efectivamente, durante zazen podemos caer en dos estados perniciosos para la salud física y mental y totalmente contrarios al estado de vigilia de un Buda.

 
Imagen relacionada