Comunidad Budista Sotozen

Zen e artes marciais

Mas, como se pode chegar a ser forte e sábio ao mesmo tempo? Esta é a Via do Zen e das Artes Marciais Tradicionais. O Zen tem sempre ensinado as duas Vias numa só: desenvolvimento da força e da sabedoria. Ambos aspetos são necessários e interdependentes.

 

O desenvolvimento unicamente da força conduz ao embrutecimento, à concorrência e ao orgulho. Muitos problemas e dificuldades surgem desta atitude unilateral. Por outra parte, a sabedoria sem a força é ineficaz e não pode transformar-nos e agir sobre o mundo.

Nas Artes Marciais Tardicionais desenvolvia-se a força necessária e ao mesmo tempo a sabedoria para controlar e dirigir esta força para uma dimensão elevada. Esta dimensão não pode ser outra que o conhecimento de si próprio, do próprio corpo e espírito, fazer-se íntimo consigo próprio.

As Artes Marciais modernas estão em geral muito longe do seu espírito original. Hoje em dia tornaram-se num desporto, uma competição, e os seus praticantes estão longe do espírito e do ideal do Bushido (caminho do guerreiro) autêntico.

Quando os ensinamentos Zen e o espírito do Bushido chegaram ao Japão, o país estava envolvido em contínuas lutas sangrentas  entre os diversos clãs e feudos. Progressivamente, o Zen e o espírito das artes marciais tradicionais chinesas conseguiram 'deter o sabre' e torná-lo num suporte de meditação e introspeção. Assim surgiu o kendo, a esgrima japonesa. Quanto ao arco e a flecha, o seu objetivo deixou de ser o coração do inimigo. O alvo perdeu importância, o verdadeiro alvo foi, a partir de então, o próprio espírito ilusório e limitado pelas conceções estreitas da nossa personalidade. Assim nasceu o kyudo, a via do tiro com arco.

A intimidade permite controlar o corpo e o espírito e faz-nos superar a personalidade estreita, o ego, os seus impulsos e o seu afã de conquistar e vencer os demais.

Por contraditório que possa parecer, o segredo do kendo, a via do sabre, é não desembainhar nunca o sabre, quer dizer, desenvolver uma força e uma sabedoria espiritual capazes de  intuir com antecedência a possibilidade de lutar, e evitar que essas possibilidades se façam reais.

A essência das Artes Marciais e do Zen é 'não combater', mas despertar ao tronco comum que nos une com todas a as existências do universo